Por Kimberly Ferreira Enfermeira – COREN RS 552072

Às vezes sua garganta dói e você sente dificuldade para engolir os alimentos? Fica na dúvida se é uma simples dor de garganta ou algo mais sério? Pois saiba que você não está sozinho nessa. As várias infecções próximas à garganta podem, sim, gerar dúvidas. Seria uma faringite, laringite ou amigdalite? Para diferenciar as várias “ites”, traremos a explicação de cada uma.

A amigdalite corresponde à inflamação das amígdalas, que são gânglios linfáticos presentes no fundo da garganta e que têm como função defender o organismo contra infecções bacterianas e virais. Elas podem estar relacionadas a baixa á baixa imunidade e de acordo com a sua duração e sintomas pode ser classificada em bacteriana e viral.

Amigdalite bacteriana: É caudada por bactérias e exige um tratamento mais específico, com antibióticos.

Amigdalite viral: É o tipo mais comum, causada por vírus e o tratamento é feito a base de medicamentos e cuidados simples.

Segue abaixo os sinais apresentados de cada uma delas:

Ainda temos a amigdalite crônica, que é a infecção recorrente, causa dor de garganta, mau hálito e nódulos cervicais persistentes, deste tipo podem ocorrer até 7 episódios de amigdalite por ano. E a amigdalite aguda que apesar do tratamento pode durar até 2 semanas ou mais, causa obstrução das vias aéreas devido ao inchaço das amígdalas ocasionando na dificuldade de respiração, ronco e apneia do sono.

Os principais sintomas da amigdalite são dores de garganta, dificuldade de engolir, febre, calafrios, mal-estar, dor de cabeça, perda do apetite, mau hálito, nódulos linfáticos aumentados no pescoço, garganta inchada. O portador da doença também pode apresentar dor de cabeça, alteração da voz, dor abdominal, náuseas e vômitos, entre outros.

A amigdalite é contagiosa, principalmente quando se trata de amigdalite viral. A transmissão da amigdalite ocorre pelo contato direto com gotículas de saliva da pessoa contaminada, principalmente quando a saúde da pessoa encontra-se enfraquecida como ocorre no caso de bebê e idosos, e por isso estes devem manter distâncias dos contaminados.

Para evitar a transmissão da doença, é aconselhado:

 

  • Tossir sempre com um lenço na boca ou colocar o antebraço na frente da boca quando for tossir;
  • Lavar bem as mãos;
  • Não compartilhar toalhas, pratos, copos e talheres, por exemplo.

 

IMPORTANTE : Somente um médico pode diagnosticar doenças, indicar  tratamentos e receitar medicações. O conteúdo apresentado possui apenas caráter informativo.

 

Referencias

Amigdalite: Conheça a doença que afeta crianças e adultos. Hospital São Matheus. 20 de dezembro de 2018. Disponível em < http://hospitalsaomatheus.com.br/blog/amigdalite-conheca-a-doenca-que-afetas-criancas-e-adultos/ > Acesso em 21 de maio de 2020.

MALUCELLI, Diego. Qual a diferença entre faringite, laringite e amigdalite? Otorrinos Curitiba. 20 e abril de 2017. Disponível em < https://otorrinoscuritiba.com.br/saude/qual-a-diferenca-entre-faringite-laringite-e-amigdalite.html > Acesso em 21 de maio de 2020.