O nariz é o primeiro local da via aérea pelo qual o ar tem que passar antes de chegar aos pulmões. Dentre outras atribuições, é responsável pela limpeza, umidificação e aquecimento do ar inspirado. Ao entrar em contato com substâncias potencialmente nocivas ao organismo, são desencadeadas complexas respostas imunológicas na tentativa de impedir que o agente agressor atinja os pulmões.
No caso da rinite alérgica, a mucosa do nariz responde de maneira exacerbada a algumas substâncias específicas.

Com sintomas semelhantes aos da gripe e sinusite, a rinite é agravada quando há contato com poeira, ácaros e fungos. A maior parte da população brasileira sofre de algum tipo de alergia. Segundo a Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (ASBAI), esse percentual varia de 10% a 25%.

Tendo como principais sintomas:

  • Edema da mucosa que leva à obstrução nasal;
  • Coriza;
  • Espirros freqüentes;
  • Coceira no nariz, na garganta, no céu-da-boca e nos olhos.

A rinite alérgica pode estar associada, ainda, a comorbidades, como asma, otites médias, sinusite e roncos.
A rinite alérgica tem características hereditárias, mas mesmo que nenhum dos pais apresente o distúrbio, ele pode se manifestar. Também não é obrigatória a rinite se fazer presente desde o nascimento. Os gatilhos de crises são melhores conhecidos que as causas.

Entre os principais, destacam-se:

  • Ácaros existentes na poeira doméstica, pelos de animais, fungos, descamação de pele, mofo, pólen, perfume, alguns alimentos, medicamentos, bactérias, vírus e mudanças bruscas de temperatura etc.

É importante a avaliação do especialista para o diagnóstico da rinite alérgica, diferenciando-a de outras formas de rinites ou outras doenças que geram sintomas semelhantes. Se já é de seu conhecimento, o seu caso pode ser analisado por um clínico geral que avaliará e iniciará com o tratamento indicando os demais procedimentos.

A rinite alérgica não tem cura, mas algumas medidas de tratamento para evitá-la:

  • Higiene nasal com soro diariamente para remover os alérgenos;
  • Cuidados com a higiene ambiental;
  • Ambientes limpos e arejados mesmos em dias frios, para que o ar circule;
  • Evite acúmulo de livros e outros objetos que juntam poeira, bem como carpetes e cortinas;
  • Se tiver animais domésticos com pelos, mantenha-os sempre limpos;
  • Roupas e cobertores guardados há muito tempo precisam ser lavados e secos ao sol antes do uso;
  • Uso de medicamentos;
  • Aplicações de vacinas antialérgicas ajudam a prevenir e a controlar as crises.

 

Para aqueles que já tinham estes hábitos de cuidados devem fazer uso dos mesmos com ainda mais vigor neste período de pandemia e para os demais não esqueçam, as recomendações de prevenção à COVID-19 são as seguintes:

 

  • Mantenha os ambientes limpos e bem ventilados.
  • Se estiver doente, evite contato físico com outras pessoas, principalmente idosos e doentes crônicos, e fique em casa até melhorar.
  • Durma bem e tenha uma alimentação saudável.
  • Utilize máscaras caseiras ou artesanais feitas de tecido em situações de saída de sua residência.
  • Ao tossir ou espirrar, cubra nariz e boca com lenço ou com o braço, e não com as mãos.
  • Mantenha uma distância mínima de cerca de 2 metros de qualquer pessoa tossindo ou espirrando.
  • Evite tocar olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Ao tocar, lave sempre as mãos como já indicado e lave com freqüência as mãos até a altura dos punhos, com água e sabão, ou então higienize com álcool em gel 70%.

 

 

 

 

 

Referencias

A pandemia COVID-19 e os indivíduos com rinite alérgica – Recomendações da associação Brasileira de Alergia e Imunologia ABAI. 06 de abril de 2020. Disponível em < http://asbai.org.br/a-pandemia-covid-19-e-os-individuos-com-rinite-alergicarecomendacoes-da-associacao-brasileira-de-alergia-e-imunologia/ > Acesso em 19 de maio de 2020.

6 dicas eficazes para quem tem problemas respiratórios. Unimed Fortaleza, Ceará, 22 de março de 2018. Disponível em < https://www.unimedfortaleza.com.br/blog/cuidar-de-voce/dicas-de-tratamento-problemas-respiratorios > Acesso em 19 de maio de 2020.

BRASIL, Ministério da Saúde. Saiba quais são os sintomas da rinite alérgica. Brasília, 22 de outubro de 2019. Disponível em < http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-da-saude/54005-saiba-quais-sao-os-sintomas-da-rinite-alergica > Acesso em 19 de maio de 2020.