Por Kimberly Ferreira Enfermeira – COREN RS 552072

 

Apesar de possuírem sintomas muito parecidos são doenças completamente distintas, onde a rinite pode evoluir para uma sinusite em certos casos. Enquanto a rinite ataca prioritariamente o nariz, a sinusite afeta uma área muito maior, os chamados seios da face, que englobam as maçãs do rosto, a região atrás dos olhos e a testa.

O diagnóstico da sinusite e da rinite pode ser confirmado com certa facilidade, sendo suficiente apenas um exame clínico e o exame otorrinolaringológico geral. É preciso atenção na hora de procurar um médico pois é possível que você entenda que tem episódios de sinusite curtos, mas em seqüência, o que pode acabar influenciando na hora do diagnóstico.

Nesses casos, onde as crises se repetem em vários períodos curtos dentro de 3 meses, e consequentemente são encaradas como sinusite aguda, é melhor pedir encaminhamento para um otorrinolaringologista para que ele possa avaliar mais detalhadamente seu caso.

Para ter um diagnóstico mais preciso é possível que o médico solicite alguns exames, como por exemplo:

  • Exames de imagem;
  • Culturas nasais;
  • Testes para alergias;
  • Exames de sangue;
  • Endoscopia nasal.

 

Além desses, o médico poderá solicitar outros tipos de exames conforme achar necessário, para que o diagnóstico seja correto.

Também é importante que o paciente, assim que identificar os sintomas esteja preparado para conversar com o médico e lhe passar o maior número de informações possível.

Procure levar com você uma lista com todos os sintomas que já foram identificados, o seu tempo de duração e qualquer outro dado que ajude a tornar o diagnóstico mais rápido e preciso.

O médico fará também algumas perguntas, como por exemplo, quando os sintomas começaram, se algo faz com que os sintomas melhorem ou piorem a freqüência com que esses sintomas se manifestam, se você está fazendo uso de algum medicamento e qualquer outro questionamento que possa ajudá-lo a confirmar o diagnóstico.

Alguns hábitos simples podem ajudar a evitar o surgimento da sinusite, como por exemplo:

  • Beber muita água;
  • Evitar o cigarro;
  • Inalar vapor;
  • Higiene dos ambientes;
  • Diminuir o uso do ar condicionado;
  • Evitar temperaturas muito baixas;
  • Fazer lavagem nasal com frequência.

 

Este quadro ajudará a entender melhor a diferença entre essas duas doenças que são semelhantes:

 

Rinite alérgica Sinusite
 

Predisposição genética

 

Pode aparecer a qualquer momento

 

Não tem cura, apenas tratamento

 

Tem cura

 

Atrelada à asma, dermatite, conjuntivite, prurido, obstrução, corrimento nasal, olhos vermelhos e lacrimejando

 

Provoca febre, tosse, dor nos seios da face e redução do paladar e do olfato

 

Sensível à exposição alergênica

Em alguns casos, é necessário recorrer a intervenção cirúrgica
 

Alterações como desvio do septo nasal e hipertrofia de conchas nasais

 

Infecção nos seios paranasais

 

Espirros seqüenciais

 

Possível mau hálito

 

Pode durar mais de 3 meses

 

Pode durar até 12 dias

 

Secreção transparente

 

Secreção esverdeada ou amarelada

IMPORTANTE : Somente um médico pode diagnosticar doenças, indicar  tratamentos e receitar medicações. O conteúdo apresentado possui apenas caráter informativo.

 

Referencias

Centro Clínico Oswaldo Cruz. Hospital Otorrino. Rinite. Brasília, 2018. Disponível em < https://www.hospitalotorrinobrasilia.com.br/procedimentos/rinite/ > Acesso em 19 de maio de 2020.

Rinite e Sinusite, diferenças.. Unimed Fortaleza, Ceará, 22 de março de 2018. Disponível em <https://www.unimedfortaleza.com.br/blog/cuidar-de-voce > Acesso em 19 de maio de 2020.